domingo, 10 de março de 2013

*


Há mais ou menos um ano escrevi, aqui no blogue, que, se a minha vida fosse uma comédia romântica,quando menos esperasse,lhe aparecia alguém que lhe provava que não, ela não ia ficar sozinha, e quesim, que ela merecia e tinha direito de ser amada e que lutassem por ela”.


Foi uma altura de viragem na minha vida, uma altura em que percebi que tinha, mesmo, de fechar a porta ao passado, mas, sobretudo, que o queria fazer. Que era isso que me fazia sentido. Que tinha passado demasiado tempo agarrada a uma história que, no fundo, nunca tinha sido, e que funcionava apenas como uma âncora para me prender e me impedir de ser feliz. Nessa altura, chorei, e chorei, e chorei, em frente a um espelho, mas, quando, limpei as lágrimas e saí dali, fechei a porta da casa de banho e o passado, com ela. Percebi que o passado é um bom sítio para visitarmos, de vez em quando, com o qual aprendemos lições, mas um sítio péssimo para ficar.


E, a verdade, é que tudo isto, que eu tinha escrito, mas em que, no fundo, não acreditava, aconteceu. Com uma pessoa que eu já conhecia há um tempo, mas a quem nunca tinha dado grande espaço para que pudesse, de facto, entrar na minha vida. Uma pessoa que, apesar disso, se soube manter presente sem ser demasiado insististe e que, eu, no fundo, admito hoje, acho que sempre soube que queria por perto. Um homem maravilhoso, de quem eu gosto MUITO, em quem tenho muito orgulho. Um homem que é das melhores pessoas que já conheci, que respeita, se preocupa e tem uma grande consideração, não só por ele próprio e por mim, mas por todas as pessoas que o rodeiam. Um homem que me faz feliz, que se preocupa comigo, que me faz sorrir e sorri quando estamos juntos, que faz com os meus olhos brilhem. Um homem no ombro de quem eu gosto e posso deitar a cabeça, sem me preocupar com mais nada. Um homem com quem adoro passar o meu tempo, com quem adoro partilhar as minhas coisas e que também partilha as dele comigo. Com quem adoro conversar, mas com quem o silêncio é muito confortável. Que já me fez chorar de felicidade mais do que uma vez. Que me ensinou a gostar mais de mim, a aceitar-me como sou, que me dá paz e tranquilidade. Com quem me faz muito, mas mesmo muito sentido estar. 
É por tudo isto, e por muito mais, que não consigo transpor para palavras, que te amo, V. Amo-te e gosto muito, muito, muito de nós, do que somos, juntos. De sentir que sou uma pessoa melhor ao teu lado, e que também faço sobressair o melhor que há em ti. Obrigada por existires, por seres quem e como és, e por fazeres parte da minha vida.

P.S.: escrevo este texto hoje, ao mesmo tempo que inauguro um novo cabeçalho aqui no blogue, feito por ele, que tem um talento enorme para fotografia e imagem. 

6 comentários:

  1. Devo-te dizer uma coisa: Obrigada. A minha vida tem andado um bocado como a tua há um ano atrás e ando a tentar ultrapassar isso enquanto sonho com alguém que me ama e me possa amar, e ler o teu texto soube-me bem, é como um raiozinho de sol. E digo isto com a maior sinceridade :)
    E parabéns, claro :)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Marisa V. Acredita que a minha vida, há um ano, estava parada, e não era só neste campo. Profissionalmente não estava bem, não sabia o que fazer do futuro, etc. E, aos poucos, acreditanto, mudando a atitude, as coisas mudaram.

    ResponderEliminar
  3. E pronto, uma pessoa lê um post destes, um texto destes, uma dedicatódia destas e fica assim quase como que sem fôlego, sem palavras. E por isso, por muitas outras coisas, mas também pelo comentário da Marisa V... ponho-o por palavras, cantando isto...

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem que encontrate a tua pessoa especial. E o cabeçalho está mesmo giro. ;)

    bjs

    ResponderEliminar
  5. E tu sabes que, como amiga, foi com orgulho e muita felicidade que vi essa relação passar de uma genuína amizade para um amor sólido. Tu mereces... e ele está mais do que visto que também merece, porque soube esperar por ti. :)

    ResponderEliminar
  6. S*,

    Nos merecemo-nos um ao outro. Costumamos ambos dizer que tivemos muita sorte em nos encontrar. Ele tem sorte em ter-me, é verdade, sei o que valho, mas eu também tenho muita sorte em tê-lo.
    E temos uma relação muito bonita, feita de amizade, respeito, sinceridade, carinho, amor, partilha, conversas, e muitas mais coisas, todas muito boas.

    Beijinhos

    ResponderEliminar