quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Castigos e consequências

Estava agora mesmo a ver uma parte do programa "Você na Tv", programa que não costumo ver,mas que deixei a gravar propositadamente porque queria ouvir o comentário do psicólogo Quintino Aires (profissional que respeito mas com o qual não concordo muitas vezes).
A intervenção dele consistia em comentar uma situação fictícia de um pai a ralhar e ser verbalmente agressivo com um filho na rua.
A propósito desta situação ele falou em castigos e disse que não vale a pena castigar as crianças porque o comportamento delas não muda, uma vez que o comportamento muda na relação. Mas depois disse que já vale a pena premiar um comportamento que se quer que a criança repita. A seguir ainda acrescentou que entre os 3 e os 5 anos se pode dar uma palmada, daquelas que não causam dor, mas que apenas mostram autoridade.
E eu não podia discordar mais do que ele disse. Primeiro, porque acho que as consequências (forma pela qual gosto de designar "castigos") são fundamentais na educação, uma vez que a educação deve mimetizar o que a criança futuramente vai encontrar no mundo real um dia mais tarde, e no mundo real todos os comportamentos têm consequências. Mas sobretudo o que acho fundamental é não se atribuir consequências apenas aos comportamentos negativos. É fundamental na educação como na vida sermos coerentes.Por isso se queremos "punir" os negativos temos de premiar os positivos. E vice versa.
Quanto à palmada, sou totalmente contra, ainda que seja em idades precoces. O respeito não se ganha pela violência. E mesmo bater ao de leve é uma forma de violência.

5 comentários:

  1. Chiça... as crianças não são burras. Se até os animais percebem que os actos têm consequências, as crianças também percebem. Os castigos são uma consequência dos maus actos, ponto final.

    ResponderEliminar
  2. Percebes tanto de psicologia com a tua amiga de lagares dea zeite.....

    ResponderEliminar
  3. S*,

    Sobretudo acho que não faz sentido, e até já é uma questão de bom senso, premiar comportamentos que queremos reforçar e "apenas" falar daqueles que consideramos negativos. Portanto se queremos premiar os comportamentos que consideramos adequados, também devemos assinar os que consideramos negativos. Até porque a criança precisa de se balizar.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Anónima,

    Sim, sei perfeitamente que és uma mulher, e até quase que sei a tua identidade,

    Talvez tu percebas mais mas olha, por acaso sou eu quem tem o curso, e quem está inscrit na ordem.

    É engraçado vires aqui atacar a minha profissão e sobretudo eu começar a ter anónimos depois de te ter confrontado tanto.

    Mas és sempre bem vinda cara Salto.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. E a S* é minha amiga sim. Com muito orgulho. É uma pessoa a quem tu nunca chegarás aos calcanhares. Publiquei o teu comentário por também se referir a mim MAS ficas desde já a saer que neste blogue não se toleram ofensas sobretudo se disserem respeito a outras pessoas.

    ResponderEliminar