terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Histórias Mal-Resolvidas

Quase me apetece começar com um “quem as não tem”, mas houve alguém que se lembrou disso antes de mim e voltar a fazê-lo seria demasiadamente banal.

Todos nós temos algures no nosso passado uma história mal-resolvida... quer seja porque o destino nos pregou uma partida e nos afastou de uma pessoa antes do tempo devido, quer seja porque as coisas terminaram antes de termos tempo de nos despedir delas ou quer seja porque algo ficou por dizer ou por fazer...

O facto é que todos sem excepção temos algures no nosso passado, mesmo que seja longínquo e nem sequer pensemos muito nisso, uma história de amor que terminou na altura errada, da maneira errada e por isso mesmo ficou mal-resolvida e irá, voluntária ou involuntariamente, de forma intensa ou ténue, ficar marcada para sempre na nossa memória.

Provavelmente até nem tinha grande importância; por vezes até sabemos que era uma história que não ia a lado nenhum; talvez até, comparado com tudo o resto que vivemos tenha sido insignificante... Mas, como acabou como não queríamos e de uma forma que não desejávamos vai marcar-nos para sempre...

Histórias mal-resolvidas não são amores impossíveis, não são amores platónicos que apenas são possíveis em fantasia, nos nossos sonhos, amores que nunca vivemos e que se por alguma partida do destino tivermos oportunidade de viver se desfazem com a rapidez de um vidro que estilhaça, da areia da praia que se nos escapa por entre os dedos...

São, isso sim, amores que um dia foram possíveis, que nos fizeram sentir bem com o mundo, connosco, com tudo... e que um dia acabaram deixando-nos um sabor agridoce no pensamento e no coração... doce porque era assim que nos faziam sentir e amargo por terem acabado justamente quando pensávamos que tudo estava bem e que seria assim para sempre.

Além de tudo isto os amores mal-resolvidos são aqueles que, na altura de ir embora, não tiveram coragem de bater com a porta e seguir o seu caminho, deixando-a entreaberta como quem diz “pode ser que um dia eu volte...” e como um dia foram tão doces e tão bonitos e nos fizeram sentir tão bem, nós não temos coragem de ir até à porta e fechá-la; pelo contrário, se algum corrente de ar se atrever a encostá-la, nós voltamos a abri-la e todos os dias lá vamos espreitar para ver se é finalmente aquele o momento em que ele irá voltar para nos voltar a preencher a vida e o coração... mas parece que ainda não foi desta! Quem sabe amanhã...

5 comentários:

  1. adorei o teu texto...
    e sim... todos temos historias bem ou mal resolvidas mas sim...

    todos temos um passado...

    ResponderEliminar
  2. não digo passado .. mas sim presente :x

    ResponderEliminar
  3. As histórias mal-resolvidas são um autêntico espartilho emocional que limitam a resolução de novas histórias... Digo eu em dia-não.

    ResponderEliminar
  4. Devias ter uma borrachinha milagrosa que pudesse apagar essas histórias mal resolvidas! Éramos muito mais felizes! ; ) ***

    ResponderEliminar
  5. Logo que olhei para o texto lembrei-me de uma dessas histórias... não acho que as devamos esquecer! Neste momento tenho uma relação espectacular com o meu namorado (recentemente promovido a noivo) com quem já estou à 4 mais de 4 anos. Nem me passa pela cabeça volta a estar com essa "história mal resolvida". No entanto, guardo-a com carinho e acho que vou guardar para sempre... Quanto ao meu namorado, sei que ele também tem as histórias dele, e que também as guarda com muito carinho!
    O importante nestas histórias é não confundir a realidade e não ficar presos ao passado, porque a vida não espera por nós! Por vezes mais vale fechar uma porta para que muitas outras se abram!

    ResponderEliminar