terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Arrepender-se de dar?

Se há coisa que me faz confusão é ouvir alguém dizer que se arrepende de ter dado algo a alguém.
Porque para mim, quando se dá algo (seja algo material ou não) dá-se porque temos vontade de dar, porque naquela altura assim faz sentido. E nunca para receber algo em troca ou apenas porque é suposto dar ou porque fica bem.
Para mim dar faz sentido quando é sentido... parece uma repetição, mas não consigo dizê-lo de outra forma.
E, se um dia fez sentido, então não há arrependimento possível. Por muito que aquilo que venha depois mude a nossa percepção sobre aquela pessoa, por muitas coisas que ela faça que nos magoem, por muito que...
... está feito, está feito.
E, se na altura o fizemos (ou melhor, se o fizemos porque sentíamos que o devíamos fazer) então não há margem para nos arrependermos. Não há. Não pode haver!
O que vem a seguir não muda o que veio antes e o que deu sentido ao acto. Por muito que isto seja difícil de aprender (e é, se é...) as coisas más que acontecem posteriormente não tiram (não podem tirar não podemos deixar) significado as coisas boas que aconteceram antes.
Às palavras, aos actos, ao significado de tudo isso...
E nunca, mas mesmo NUNCA, devemos dar algo a alguém porque esperamos algo em troca! Acho que isso é mesmo uma das coisas que mais confusão me faz.
Talvez porque para mim dar e partilhar são duas ds coisas mais bonitas que existem e custa-me quando vejo alguém a conspurcar o significado destes dois actos, a fazê-lo com segundas intenções, a fazê-lo por puro interesse.
Por puro egoísmo...
Porque quer algo e porque como não sabe apenas pedir o que quer, dá algo, para ver se compra a outra pessoa.
Só que há uma coisa que essas pessoas não sabem: é que o amor e os sentimentos em geral não se compram.
Até podem existir pessoas que se vendem a troco de dinheiro (e isto para mim é uma prostituição bem maior do que aquela cometida nos bosques de monsanto) mas o dinheiro só compra uma parte: a parte material da coisa... nunca a parte humana!
É por isso que quando (me) dou, dou por inteiro.
E by the way: adoro dar!

7 comentários:

  1. Ok percebo onde queres chegar, mas na realidade ninguem é assim tão zen. Como uma amiga minha que estoirou os ultimos tostões em prendas para o namorado e para a casa dos dois. Nesse mesmo mês ele meteu-a fora de casa porque andava com uma colega de trabalho.É claro que ela se arrependeu!Até porque depois na rua,todo o dinheiro era pouco!
    Depois de se saber como acaba, não há como não haver uma pontinha de arrependimento, dependendo da gravidade da coisa.
    O que eu acho ridículo sim, é aquelas pessoas que ficam extremamente ofendidas porque "o meu tio, que tem a obrigação de me conhecer bem, me ofereceu "isto"!!!!!" e ficam zangadas e quê. Uma parvoíce.

    ResponderEliminar
  2. Estou contigo!!
    Detesto também quem dá, para mais tarde vir cobrar!
    Eu dou com gosto, de livre e espontânea vontade, de outra forma não faz sentido.
    Por outro lado, há pessoas que dão à espera de receber.

    ResponderEliminar
  3. Desculpa voltar ao contacto, mas mediante o comentário da "Fuschia" mereceu-me um reparo.
    Já tive uma namorada a quem sempre tratei bem e nunca traí, dei coisas muito valiosas, ela por sinal era forreta e por isso, deu-me muito pouco e nada valioso. Chegou ao final e do pouco que deu levou tudo (até peças de roupa.. devia ser para poupar e oferecer ao próximo ahahahha) e eu mesmo sabendo que levava, apenas a chamei à atenção para a falta de bom senso que tinha ao também não deixar o muito que lhe tinha dado.

    Se dei demais? Se calhar dei!
    Se devia ter pedido o que lhe dei? Não! Porque para mim não teria qualquer valor.
    Se não devia ter deixado levar o pouco que me deu? Em termos de bom senso, não deveria, mas como também de poucas e mas recordações, não queria aquilo para nada!
    Se estou arrependido? Não! Porque dei com gosto e estou de consciência tranquila, fiz o que achei correcto.

    ResponderEliminar
  4. a mim irrita-me qualquer tipo de arrependimento... se no momento exacto alguem teve vontade de fazer algo... nao tem que se arrepender...

    não faz sentido sequer...

    ResponderEliminar
  5. Eu quando ofereço algo, é porque acho que se adequada aquela pessoa, se é caro ou barato, é me indiferente. Compro e dou porque acho oportuno e porque a pessoa vai gostar, sem esperar retorno.
    Este ano dei 2 prendas a um amigo meu, ele andava dizer que tinha a minha prenda de natal e anos a passear na mala do carro, certo é que nunca as vi. Sei que gostou das prendas que lhe dei, nesse mesmo dia discutimos e deixamos de falar. Se me arrependi de lhe ter dado as prendas, não porque achei que as merecia.
    Comprar por comprar não compro, prefiro não dar, a dar algo que não enquadra com dada pessoa.
    Eu quando dou é porque acho que a pessoa merece e não gosto que me julguem por isso.

    Boas entradas ;)

    ResponderEliminar
  6. A maioria das pessoas quando dá algo a alguém acha-se na situação de cobrar coisas...
    Ainda me lembro de ter tido um namorado k porque nao podia passar o fds sem ver os papás nao teve cmg no dia dos namorados. Depois para me compensar levou-me a jantar fora num restaurante catita.

    O nosso namoro começou a deteriorar-se e ele veio-me acusar que me tinha pago o jantar e eu não tinha feito nada por ele... Para ele era mais importante um jantar ou uma peça de roupa cara do que uma atitude com amor. Achava que um jantar ia apagar o facto de não me ter dado um simples telefonema no dia de namorados...

    Nao sou pessoa de dar muitas prendas mas quando as dou é me impraticável pensar k fiquei em divida com alguem...

    ResponderEliminar