sábado, 26 de setembro de 2009

O ensino, as licenciaturas/mestrados/doutoramentos e o nível de desenvolvimento de um país

O nível de licenciados (e mestres e doutorados) de um país está directamente relacionado com o nível de desenvolvimento desse país. Isto é um um facto inquestionável. E que me desculpem os que pensam de forma diferente, mas, não assumir isto parece-me algo que só acontece num país onde, há pouco mais de um ano, um ditador foi eleito como o português mais ilustre de sempre, num país onde ainda temos tanto velhos como jovens a dizer que no tempo dele é que era bom, num país onde se valoriza o chico-espertismo em lugar da inteligência, do saber e da vontade de progredir.

Sou, já há mais de muitos anos, da opinião que o problema de Portugal não é a falta de recursos, não é a pequenez, nem são os políticos, mas sim as pessoas com a sua mentalidade pequenina. Acho que somos pouco ambiciosos, queremos ganhar muito sem trabalhar o correspondente, e olhamos com desprezo para os que conseguem ir mais longe porque tiveram oportunidades que nós não tivemos. Pensamos pequeno e pouco, temos vistas curtas e somos invejosos. Além de que não sabemos nem sequer aproveitar aquilo que de bom temos ou conseguimos conquistar e isso, meus caros, vem dos Descobrimentos. E faltam-nos algo extremamente importante que é sabermos olhar para nós e reconhecermos não só os nossos defeitos como as nossas lacunas. E, em vez de encararmos as situações, crtíticas e desafios como oportunidades, vêmo-los como ataques pessoais e defendemo-nos, quando nunca nos atacaram, desatando a dizer disparates sob forma, na maior parte das vezes, de ataques pessoais baixos e sem fundamento.

Eu concluí a minha licenciatura logo a seguir ao secundário. E sim, assumo-o sem pudores, apesar de ter sempre tentado ter alguma ocupação para ganhar um dinheiro extra, foram os meus pais que me proporcionaram o curso que eu quis. Se há quem não tenha tido essa sorte, lamento. Acho que todos deviámos ter iguais oportunidades pois só aí se veria com clareza quem tem de facto capacidade para ir mais longe e quem não tem. Mas não me sinto de forma alguma envergonhada por ter tido essa oportunidade e acho lamentável que se diga que muitas das pessoas que se licenciaram sem necessitar de trabalhar como meninos dos papás. Mas é alguma vergonha ter pais que lutaram para nos proporcionar um curso superior? Não será antes um orgulho? Claro que acho saudável que as pessoas vão tendo alguma ocupação ao longo da vida para irem percebendo como funcionam as coisas, mas isso não significa que despreze quem nunca o fez e muito menos que aceite que me apontem como mimada porque me proporcionaram educação.

E penso sinceramente que este é um dos problemas que impedem que este país vá mais além. A inveja do que conseguiu ir mais longe. Já a mim, se vejo alguém ir mais longe, desde que não o tenha feito passando por cima de alguém, só posso ficar contente por isso. Porque sei que isso mais tarde de irá traduzir em desenvolvimento para o país. E confesso que este hábito tão português de desdenhar nos outros que conseguem algo mais do que nós me faz um bocadinho de, como dizer, urticária. Sem meias palavras, chamo-lhe ressabiamento. E isso não é bonito, nem aqui, nem na China.

Agora, uma coisa é dizer que o número de licenciados atesta o nível de desenvolvimento de um país e outra muito diferente é dizer que todos têm de ter formação superior. Claro que não. Mas todos deveriam ter um nível de escolaridade superior ao 9º ano e formação específica para a área onde vão trabalhar. Talvez isso diminuísse as grandes diferenças entre quem trabalha num supermercado e numa universidade.

E, não, também não concordo com muitas das coisas do nosso sistema de ensino actual, onde se pretende, mais do que realmente dar formação e conhecimento, atribuir um grau para subir nas estatísticas. Tal como penso que há excesso de licenciados em áreas que não necessitam e falta de licenciados em áreas extremamente necessárias. Tal como ninguém é menos inteligente ou menos capaz ou menos pessoa por não ter formação. Por isso deixem lá quietas as avózinhas que não sabem ler que ninguém pôs em causa o valor delas nem a sua habilidade para vida. O que falamos é de formação, informação e preparação para um mundo que é, cada vez, mais competitivo.

E nesse sentido parece-me uma grande tontice não assumir que o número de pessoas com formação superior é demonstrativo do nível de desenvolvimento de um país. Porque o é. Inquestionavelmente.

P.S.: este texto é para a Luna, que tanta paciência tem tido para se desdobrar em explicações de algo que devia ser claro para todos.

7 comentários:

  1. Que grande texto, é verdade e muitos de nós sabemos isso.

    Não sei que dizer, mas é triste termos profissionais tão bons e recusa-los e virem estrangeiros para cá.

    O ensino devia preparar mais os alunos para o mercado de trabalho...

    A inveja dos portugueses e o querer ganhar dinheiro sem fazer por isso é mesmo uma grande verdade!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Tenho bastante orgulho dos trabalhadores-estudantes. Conseguirem tirar uma licenciatura enquanto trabalham tem muito mérito. Tenho pena é que não sejam reconhecidos. Honestamente tirar um curso com a ajuda dos pais é fácil, ou melhor, é suposto ser fácil porque está-se somente dedicado a isso. No entanto, não concordo que sejam tratados como "mimados" porque bonito era todos terem a mesma oportunidade.
    Agrada-me ver o país a evoluir mas odeio as estatísticas. De que vale andar com facilitismos para entrarem na universidade, terem o canudo, irem para as novas oportunidades se somente se preocupam em ter mais pessoas formadas. O correcto é tentar saber como é que as mesmas estão a ser formadas. Precisamos de evoluir com pessoas de mérito, que estudam, que sabem o que estão a fazer, que querem aprender. Agora andar a despachar canudos, nao!

    ResponderEliminar
  3. Estou a tirar uma licenciatura financiada pelos Pais.. Se tivesse de trabalhar para tal, seria mais dificil, mas não seria de todo impossivel.. Há que ter objectivos e metas na vida, e isso incluir querer sempre mais..

    Temos o 9º ano.. sim.. Mas chega? E não falo só de conhecimentos técnicos, mas de todo o conhecimento, porque o Mundo actual está sempre em mudança..

    beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Acho que uma pessoa que se aplique para tirar um curso e que não ande lá só a jogar às cartas e matrecos tem todo o valor que merece, independentemente da situação em que esse curso é pago. Penso que a maior parte dos que mandam a boca d"os paizinhos pagam o cursinho", o grande problema deles é o facto de terem a certeza que nunca conseguiriam concluir um curso..
    Mas a esses mais vale nem ligar.

    Também te vou seguir =)

    Cheers*

    ResponderEliminar
  5. Clap clap clap. Bom ver que não sou a única a pensar assim.

    ResponderEliminar
  6. Sim estou 100% de acordo consigo, pois sou mãe de um licenciado em economia que mão arranja emprego e duma finalista de Biologia.Mas o
    que se passa num país que desperdiça a sua Juventude!
    A energia, a vontade, a inovação próprias dum jovem estão a ser substituídas pela desilusão, abandono e delinquência.
    Não sei se a culpa é do governo , dos empresários ou da crise, só sei que criamos filhos, damos-lhes educação, ideais, alimentamos-lhes os sonhos de poderem um dia serem alguém...e depois tudo se desfaz em fumo...não arranjam emprego, ou se arranjam são explorados com os mais variados argumentos.
    Estou farta de ver incompetentes a tomar conta de tudo, estou farta de ter esperança que um dia tudo mude...estou farta de estar farta!
    Que me interessa a mim que o X ou o Y ganhem fortunas no futebol, que me interessa se fulano A ou B se casou pela milésima vez...querem nos embriagar com novelas, futebol, política de treta ...
    Não dá, já perdi o respeito pelas instituições que só beneficiam quem faz parte da "elite", como lamento que num país onde faz tanta falta o conhecimento este seja tão desprezado.

    ResponderEliminar
  7. Tirei a minha licenciatura sem nunca ter trabalahdo para a pagar... e isso fez com que estudasse muito mais, para que eles sentissem que o esforço que estavam a fazer valia a pena....

    Portanto, não foi de todo fácil..

    beijinhs***

    http://segredos_escondidos.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar