quarta-feira, 1 de julho de 2009

A vida

Vi esta frase numa entrevista do Mico da Câmara Pereira e da Joana Sousa Cardoso (namorada dele e que durante um ano e meio lutou contra um cancro na mama do qual, felizmente, saíu vitoriosa) e não podia deixar de a transcrever para aqui.

Aprenderam a olhar a vida com outros olhos?
J.S.C: Inevitavelmente. No início achava que não, que ia ser exactamente a mesma pessoa. Mas somos fruto das nossas vivências, das nossas escolhas... Tornei-me, inevitavelmente, uma outra pessoa. Ao longo deste tempo fiz sempre um esforço enorme para não desmoralizar e acordava todos os dias a pensar "hoje, vou conseguir, vai ser mais um dia em que vou estar feliz e bem-disposta". Era com esta motivação que tentava seguir em frente. Hoje, sou uma pessoa mais tolerante para com as pessoas que gostam de mim, não faço só o que me apetece mas não faço fretes. A vida é curta, as coisas más não acontecem só aos outros e, por isso, temos de aproveitar e de nos divertirmos muito.
M.C.P: Depois desta experiência, o que quer que aconteça que não tenha a ver com saúde -problemas materiais, profissionais-eu relativizo. A vida é complicada e há alturas em que nos sentimos aflitos, mas agora esse tipo de situações não me afecta da mesma maneira. Quando as coisas correm menos bem, fico um pouco aborrecido, mas quero lá saber. O importante é mesmo a saúde. A Joana está cá e isso é que é importante.

E eu, hoje, percebo estas palavras melhor que ninguém. Porque é mesmo assim. Porque, quando somos confrontados com uma doença como estas, a nossa visão da vida muda. Passamos a olhar para as coisas com outros olhos, a dar importância ao que é realmente importante e a relativizar o que não tem importância. Porque o importante é viver e aproveitar enquanto estamos vivos. E isso significa aproveitar cada minuto, porque o próximo não está mesmo garantido. Viver o melhor que pudermos e soubermos hoje, aqui e agora. E não perder tempo com aquilo que não interessa. Lutar pelo que queremos, mas não achar que só vamos ser felizes quando tivermos isto ou aquilo, senão nunca somos. Se a cada conquista, só a próxima interessar nunca seremos inteiros. E é isso que interessa. Ser inteiro. Viver. Estar. Porque as coisas más não acontecem mesmo só aos outros e não avisam. Chegam sem pedir licença e viram tudo do avesso.

À Joana, os meus parabéns. Ver um caso de sucesso destes, apesar de sabermos que cada pessoa é uma pessoa, motiva-nos e dá-nos alento. Consigo perceber bem o que ela sentiu durante todo este processo pois também eu anseio pelo dia em que possa deitar a cabeça na almofada e pensar que a minha mãe está bem. Porque, agora, cada dia que passa é uma angústia, uma incerteza e um medo tão grandes que é quase impossível pensar noutra coisa. Porque o problema que a minha mãe tem, e que eu ainda não tinha dito, embora tivesse dado a entender, também é cancro, apesar de não ser na mama e sim no recto. E, apesar da evolução da medicina e de todos os casos positivos que vamos conhecendo, ainda é uma doença com um peso muito grande e que nos faz temer pela vida.

7 comentários:

  1. A tua mãe vai sair vitoriosa como a Joana, vais ver!:)

    Muito força e um beijinho especial!*

    ResponderEliminar
  2. É bonito ver um amor assim. Ela tem sido uma mulher muito forte e ele tem-se mostrado um grande homem.

    A tua mãe ficará melhor querida. Pensamento positivo. :)

    ResponderEliminar
  3. eu tb li essa entrevista e sim....

    a tua mamã vai ficar bem linda... tens é que acreditar

    jinhos

    ResponderEliminar
  4. Acho que é nos momentos mais complicados da vida que somos verdadeiramente postos à prova.
    Admiro-te a atitude.
    Conta com mais um deste lado a torcer pela tua mãe.
    (:

    ResponderEliminar
  5. Li "A vida" e identifiquei-me por completo com ela... pois, agora, e desde ha bem pouco tempo, comecei a pensar que A SAÚDE É O MAIS IMPORTANTE! (porque tenho vindo a passar um mau bocado com dores). Por isso, tenho tentado desfrutar da vida ao máximo dentro das minhas possibilidades.

    ResponderEliminar
  6. Isto é serviço público, parabéns! E sim, a tua mãe vai superar tudo isto melhor do que todos estão à espera. Força.

    ResponderEliminar