sexta-feira, 8 de maio de 2009

Amores impossíveis?!...

Diz-se que a pior forma de sentir falta de alguém é estar sentado a seu lado e saber que nunca o vamos ter.
Que dizer então de sentir bem forte cá dentro algo por alguém com quem nem sabemos se algum dia iremos falar?
Alguém que existe, mas não conhecemos, que conhecemos mas com quem não falamos, de quem ouvimos falar todos os dias mas nunca ouviu falar de nós, que vemos frequentemente mas nunca nos viu, de quem sabemos tudo mas que nem sabe que existimos, com quem sonhamos todas as noites, mas que nunca está ao nosso lado quando acordamos de manhã?
Que dizer do que sentimos cada vez que vemos uma imagem dessa pessoa, que descobrimos mais um pormenorzinho –a acrescentar aos outros tantos- sobre ela que em tudo nos agrada?
Sonho, fantasia, delírio, paixão, loucura, desejo, amor...?
O que devemos fazer quando tudo o que sabemos, quando tudo o que vamos descobrindo a cada minuto que passa apenas serve para reforçar este sentimento, quando tudo é tão perfeito que parece ter sido feito de encomenda para nós?
Parar de sonhar, acordar, olhar em volta, ver a realidade... mas a realidade é que ele existe e que mesmo sem saber faz parte dela... aliás, a realidade é que ele nem sequer está longe, só que não nos vê... e, se por ironia do destino se cruzar connosco na rua apenas verá alguém igual a tantos outros alguéns com quem se cruza todos os dias, a todas as horas, minutos e segundos...
Dúvidas, inseguranças, incertezas, medos...?
Não, não estou a falar do príncipe encantado, daquele que há-de chegar num cavalo branco e com o qual viveremos felizes para sempre ao melhor estilo das fábulas encantadas com as quais nos encheram a cabeça quando éramos crianças... aquele que sempre que estamos tristes nos dizem que existe, mas que nunca vimos nem sabemos como é... Porque o meu príncipe existe e não tem um cavalo branco, nem vive no país das maravilhas! O meu príncipe tem uma cara, um nome, uma morada, uma personalidade, uma profissão... também não falo de uma paixão platónica inatingível por um sex-symbol, porque sex-symbols são os actores de Holywood e o meu príncipe é bem português... falo de uma pessoa normal, de carne e osso, real, que tem uma vida com a de todos nós, com alegrias e tristezas, que não é perfeito, mas que tem tudo o que sempre pedi para encontrar em alguém, alguém que tem defeitos, mas que por ironia do destino, até esses são do meu agrado...
E é ter esta certeza cá dentro que se algum dia pudéssemos conviver com ele tudo seria diferente, tudo iria dar certo... é saber que se ele nos conhecesse iria sentir tudo o que sentimos cá dentro, em silêncio, cada vez mais forte apesar de abafado...
Mas é saber também que o mais provável é nunca o termos ao nosso lado, é nunca sentirmos o seu toque, nunca ouvirmos a sua voz a chamar o nosso nome, é nunca sentir o cheiro inconfundível do seu perfume que, por um acaso qualquer, até sabemos qual é e como cheira...
O que fazer?
Lutar? Mas como? De que forma?
Esperar que o destino nos cruze com ele e agarrar a oportunidade com unhas e dentes?
Ou esquecer, mandar para as profundezas do icebergue que é o nosso inconsciente e deixá-lo ficar por lá até que congele e deixe de aquecer o nosso coração?
Não esquecer não! Seria impossível! Se o vemos todos os dias...
E mesmo que existam 20 boas razões para o esquecer e apagar da memória, para pensar que não o poderemos ter para nós a não ser em sonhos, existirão de certeza 21 óptimas razões para o guardar sempre cá dentro, juntinho ao coração...

4 comentários:

  1. Sinceramente nem sei o que te diga mas...

    talvez... seguires o teu coração e o teu instinto?

    ResponderEliminar
  2. Eu compreendo esse teu sentimento. Vivo uma situação um pouco parecida. E a questão é que o destino já nos cruzou apenas existe uma terceira pessoa e por isso mesmo é difícil lidar com esta situação. A vida prega-nos cada partida!!! Eu penso que devias pelo menos tentar, os "ses" dão cabo da nossa vida e acredita, não querias viver com os "ses". Eu sei o que isso é e digo-te, é uma sensação horrível.

    ResponderEliminar
  3. Gostei imenso de te ler :) amores impossiveis são sempre complicados, mas na minha opinião nada é impossivel. O teu post fez-me relembrar um grande amor que tive (amei-o durante 4anos). É meu vizinho e desde do inicio sempre soube que seria complicado termos alguma relação séria, mas sempre pensei na hipotese de tal acontecer e acreditava nesta. A vida é complicada .. beijinho

    ResponderEliminar
  4. LOL.
    Meninos: este texto já foi escrito há... uns 5 anos!
    E foi escrito em forma de crónica.

    ResponderEliminar