terça-feira, 6 de março de 2012

Aprendizagens

Defendo, acerrimamente, a ideia de que, se conseguirmos ultrapassar determinados preconceitos, podemos aprender com toda a gente. Mesmo com as pessoas que passam na nossa vida e não ficam, mesmo com pessoas de quem não gostamos, mesmo com aquelas que aparentemente não nos teriam nada a ensinar.

O meu trabalho actual é um campo muito fértil de aprendizagem. A brincar costumo dizer que é melhor do que tirar um mestrado e ainda me pagam. Mas a verdade é que realmente se aprende muito, sobretudo no que diz respeito a relações humanas, e aos seres humanos em geral.

Uma das coisas que aprendi nestes últimos três meses foi a (tentar) aprender a agir sem reagir.

E o que é que isto quer dizer? Bem, resumidamente, todas as acções, nossas para com os outros e dos outros para connosco, geram uma reacção. Estão a ver o cão do Pavlov? A campainha tocava, traziam-lhe carne, ele começou a associar o toque da campainha à carne e, uns tempos depois, mesmo quando havia carne e só campainha, a sua resposta foi a mesma (salivar). O cão reagiu. Porque se ele tivesse agido sem reagir, primeiro iria verificar se havia carne, e só depois então agiria de forma adequada.

O "agir sem reagir" pode então ser definido como um tipo de comportamento onde, primeiro, nos tentamos aperceber de toda a situação, pensamos na melhor forma de lhe responder e só depois damos resposta.

Claro que normalmente nos reagimos. Não temos sequer tempo suficiente para pensar no que está acontecer. E por isso é que tentas e tantas vezes, algum tempo depois, pensamos "devia ter dito antes isto" ou "devia ter dito antes aquilo" ou ainda "se eu tivesse pensado melhor".
Existem, também, situações na vida onde é importante reagir logo no imediato. Quando nos magoamos ou nos queimamos a reacção normal é afastarmo-nos dessa fonte de dor. E é saudável que assim seja.

Mas, em situações de interacção com outros seres humanos, sobretudo em situações de alguma tensão, é bom que nos demos tempo de pensar um bocadinho sobre o assunto. Ainda que sejam alguns segundos. E que tenhamos em mente que reagir é uma coisa e agir outra completamente diferente. E que nem sempre a reacção será o comportamento mais adequado. Por isso é fundamental saber parar, identificar o que estamos a sentir e só depois dar uma resposta.

É que comportamento gera comportamento, e se tivermos isto presente conseguimos muitas vezes evitar situações mais complicadas. Claro que existem alturas em que os conflitos são importantes, deles podem nascer coisas muito positivas, mas mesmo um conflito deve ser ponderado. E devemos sempre ter em conta não só aquilo que estamos a sentir como também o impacto que a nossa acção ou reacção vai ter no outro.

2 comentários:

  1. Gostei muito do teu texto e faz sentido, é um texto para eu reler!!

    ResponderEliminar
  2. E para eu reler também :) saber a teoria não significa aplicá-la sempre na prática.

    ResponderEliminar